Hotel Lisbonense. (Porto)

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

O magnífico Hotel Lisbonense começou por funcionar no Largo do Carmo, tendo sido mais tarde, transferido para o nº 1 da Rua de Sá da Bandeira, e nas suas antigas instalações, estabeleceu-se então o Hotel Novo Lisbonense que antecedeu no local, o Hotel Âncora de Ouro.
Seria por volta de 1842, que começaria a ser aberta a ligação entre a Praça Nova e a Travessa dos Congregados, a que foi atribuído o topónimo de Rua de Sá da Bandeira. Esta rua, por sua vez "amputou" e substituiu parte da Rua do Bonjardim, ou seja o pequeno troço que ligava à Praça de Almeida Garrett.
Hotel Lisbonense, c.1922
Seria derrubado nos anos 60
O segundo troço, ou fase, desta rua, (entre a travessa dos Congregados e a Rua Formosa) surgiria um pouco mais tarde, apenas entre os anos de 1875 e 1880.
Deste modo, tendo o Hotel Lisbonense sido transferido do Carmo, em 1863, para a Rua de Sá da Bandeira, nº 1, obviamente só poderia ir ocupar o primeiro troço da mesma, a que actualmente denominamos por Rua de Sampaio Bruno.
Deste modo, estando o hotel localizado na esquina com a Rua do Bonjardim, acabou por ocupar o local onde existia, a fonte da Rua de Sá da Bandeira, esquina com a Rua do Bonjardim e já aqui por nós abordada em tempos.
Rua de Sampaio Bruno c.1930
 Vista parcial do Hotel Lisbonense
“O proprietário deste estabelecimento, no largo do Carmo, da cidade do Porto, mudou para a Rua de Sá da Bandeira, nº 1, próximo à praça D. Pedro, aonde oferece aos seus amigos e fregueses muitas boas salas e quartos.”
In “Diário do Povo, 12 de Janeiro de 1863 – 2ª Feira

“Recomendamos ao público o Hotel Lisbonense, situado na rua de Sá da Bandeira, fazendo esquina para a rua do Bonjardim.
Esta casa é uma das melhores do Porto pela limpeza dos quartos e das iguarias.”
In jornal “A Verdade”, 24 Dezembro de 1884 – 4ª Feira

Imagens:
-AHMP

Bibliografia:
-BMP
-AHMP - Casa do Infante

Ginásio Lauret. (Porto)

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Em 11 de Fevereiro de 1882, Paulo Lauret fundou no Porto, no Largo da Picaria, o Gymnasio Lauret e Sala D’Armas. Com o sucesso que teve nos primeiros anos, Paulo Lauret transferiu-se, em 24 de Julho de 1884, para o Largo do Laranjal 4, e depois para a Rua do Laranjal 193.
Gravura representando uma vista da antiga Rua do Laranjal e do edifício do Ginásio Lauret, vendo-se na sacada a respectiva placa publicitária. Trata-se da reprodução de uma gravura, a partir de fotografia, publicada na revista O Occidente, em 1887. Responsabilidade: João Ribeiro Cristino da Silva (des.); Domingos Caselas Branco (grav.) Local de edição: [Porto] Editor: [Arquivo Histórico] Preto e branco
A imprensa caracteriza-o como possuindo todas as diversões próprias de um club, embora se tratasse de uma escola de ginástica e sala d’armas onde “se ensina methodicamente estas duas artes, com notavel aproveitamento dos discipulos, tanto creanças como adultos” e considerando que “nesta nova casa acha-se o Gymnasio Lauret perfeitamente instalado, tendo salas de gymnastica, de armas, bilhares, dança, tiro defferentes jogos, electricidade, banhos etc., o que tudo faz um conjuncto de estabelecimento de primeira ordem” (Ginásio Lauret no Porto, 1887, p. 19). Bem equipado, constituía um espaço agradável, arejado e bem iluminado, habilitado para o desenvolvimento de todo o tipo de aulas de ginástica (médica ou profilática, ortopédica, higiénica e artístico recreativa), contando com a colaboração de um médico e de vários professores de competência reconhecida (Ferreira, 1998, pp. 304-305). O ginásio, em 1887, oferecia diferentes cursos adequados à idade e ao sexo, como se sublinhava n’ O Ocidente: O ensino no Gymnasio Lauret está devidido em differentes cursos, conforme as idades dos discipulos, e regulado de modo a dar rezultados mais praticos e proveitosos. A sua frequencia é de 100 alumnos devididos do seguinte modo: meninas 7, meninos 33, adultos 60, tem um medico effectivo, o sr. Dr. Aureliano Cirne, e 250 socios protectores (Ginásio Lauret no Porto, 1887). 

Bibliografia:
-lauret.pt
-Luís Mota, Paulo Lauret e o ensino da Educação Física em Portugal no último quartel do século XIX



O Elevador da Glória.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

O Elevador da Glória, também designado por Ascensor e Funicular da Glória, foi inaugurado a 24 de Outubro de 1885. 
Este transporte público, obviamente não desapareceu, mas modificou-se e evoluiu desde a sua concepção.
O Elevador da Glória no dia da sua inauguração, que ocorreu a 31 de Outubro de 1885.  
Elevador da Glória - Joshua Benoliel
Este funicular estabelece a ligação entre a Praça dos Restauradores e São Pedro de Alcântara, que se encontram em cotas bastante diferentes devido à topografia do local, através da calçada da Glória, com uma inclinação média de 18%, um desnível de 45 metros e um trajecto de 276 metros.
Quando foi inaugurado, o elevador, ou funicular, era movido, através de um sistema de cremalheira e cabo por contrapeso de água, depois passou a vapor e só em 1915 tornou-se eléctrico. Inicialmente o elevador tinha dois andares, podendo levar passageiros no tejadilho.
O piso de baixo tinha dois bancos corridos em que os passageiros viajavam de costas para a rua e no piso de cima cujo acesso era feito através de uma escada de caracol, já se podia deslumbrar a vista virados de frente para a rua, com o inconveniente de se estar sujeito aos elementos atmosféricos.

A "Sinaleira de Valongo".

domingo, 29 de setembro de 2019

A "Sinaleira de Valongo"
Muitos automobilistas do grande Porto,  ou zona Norte, ainda se recordarão desta  simpática e singular personagem.
A Dna. Isaura, também conhecida por "Tété", nos meios mais familiares, mas conhecida por todos como a icónica "Sinaleira de Valongo".
A Dna. Isaura, era esposa de um policia sinaleiro do Porto. Após ficar viúva, veio para, o então designado, asilo de Valongo, sito no Hospital. A partir dos princípios dos anos 70, esta senhora, vinha dar uns passeios até ao centro da localidade e começou a orientar o trânsito junto a um semáforo que existia no Centro, o povo vendo interesse dela, começou a dar-lhe os apetrechos necessários para o efeito.
Pelo que soubemos, a farda e capacete, bem como as luvas brancas e rola (apito) foi um tal de Zé Granada, que lhe deu.
Assim se tornou na lendária "Sinaleira". A Dona Isaura, faleceu na Santa Casa de Misericórdia, onde passou os seus últimos anos de vida.

Solar da Quinta das Devesas (Devezas).

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Segundo informação da Santa Casa da Misericórdia de Vila Nova de Gaia, a família Conde das Devesas (1875-1945) teve uma acção importantíssima na vida da própria Misericórdia de Gaia, que beneficiou com o trabalho e a generosidade de muitos dos seus membros.
O primeiro Conde, Francisco Pereira Pinto Lemos (1849/1916) e a sua esposa D. Maria da Conceição Bandeira de Castro Lemos, Condessa das Devesas (1853/1928), tiveram três filhos, Alfredo, Ernani e Jorge.
Sucedeu a seu pai no título, o segundo Conde, Alfredo Pereira Pinto de Castro Lemos (1875/1945), que se casou com D. Camila Machado dos Santos Castro Lemos (1879/1967), não tendo havido filhos deste casamento.
Por isso, à morte do segundo, seria terceiro Conde das Devesas, o irmão Ernani Carlos Pereira Pinto de Castro Lemos (1876/1965), casado com D. Carlota Alberta Pimentel Maldonado Correia da Silva Araújo Lemos (1884/1971), sem descendentes.
Houve ainda o irmão Jorge Pereira Pinto de Castro Lemos (1884/1962), de quem era esposa D. Maria Amélia Feio de Oliveira Leite de Castro Lemos (1882/1979), que também não tiveram herdeiros legitimários.
O Conde Alfredo, homem profundamente religioso e sempre pronto a auxiliar os mais desfavorecidos, envolveu-se no movimento iniciado no dia 27 de Novembro de 1928 pelo Notário Miguel da Silva Leal Júnior e por outros bons gaienses, para a criação da Misericórdia de Gaia. E quando a 26 de junho de 1929 a Misericórdia foi, oficialmente, constituída, os seus pares quiseram que fosse o Conde Alfredo a ocupar o lugar de Provedor.
Tinha então 54 anos e, durante mais sete, até 1936, ocupou esse cargo, tendo desenvolvido uma tarefa extremamente valiosa, para que fosse devidamente consolidada a vida da jovem e, então, ainda frágil instituição.
Por falecimento dos progenitores Conde Francisco e Condessa D. Maria da Conceição, herdaram os três filhos – Alfredo, Ernani e Jorge – em partes iguais, o património da família, de que era a parcela mais valiosa a chamada Quinta das Devezas, também então conhecida por Quinta do Estado, situada em Vila Nova de Gaia, onde a família tinha o seu solar.
A nível arquitectónico, a Quinta das Devesas é composta por uma casa de planta irregular, capela separada, a O., de planta longitudinal, com sineira adossada, e jardim. Casa com fachada principal composta por vários panos enquadrados por pilastras coroadas por urnas neoclássicas, com pano central mais elevado com pedra de armas, a acesso ao centro, através de escadaria, ao piso nobre. Capela com fachada principal rasgada por portal ladeado por pequenas janelas e encimado por janelão de recorte neogótico.
Ruínas do Solar da Quinta das Devesas (Devezas) - Escadaria principal
Solar da Quinta das Devesas - Vista parcial da fachada frontal
 Solar da Quinta das Devesas - Outra vista parcial da fachada frontal
Solar da Quinta das Devesas - Fachada frontal e lateral
Solar da Quinta das Devesas - Capela em ruínas
Esta propriedade tem a sua entrada principal na Rua D. Leonor de Freitas, junto às instalações da firma Barros, Almeida & C.a. – Vinhos S.A. e era constituída por uma casa apalaçada, de dois andares, capela, anexos, jardim, estufas, pomares, hortas, adegas, casa para gado e terras de lavradio e de vinha, com uma área de 101.500 metros quadrados.
Graças à benemerência desta magnífica família, a referida Quinta é propriedade da Misericórdia de Gaia. Esta passagem realizou-se de forma faseada:
Por legado em testamento do Conde Ernani Carlos Pereira Pinto de Castro Lemos, falecido a 2 de Agosto de 1965, da terça parte desta propriedade.
Por doação feita no dia 8 de Março de 1966, pelas Senhoras D. Camila Machado dos Santos Castro Lemos, viúva do Conde Alfredo, falecida a 20 de maio de 1967, e de D. Maria Amélia Feio de Oliveira Leite Castro Lemos, viúva de Jorge Pereira Pinto de Castro Lemos, falecida a 14 de Fevereiro de 1971, das outras duas terças partes de que eram pertença das mesmas, deduzidas de uma parcela de 21.206 metros quadrados, que as doadoras reservaram para si. Estas doações, segundo os termos da escritura, foram feitas pelo facto de ambas desejarem contribuir para “os altos fins de assistência a que se dedica a Misericórdia de Gaia”.
Na altura da morte da última das senhoras, em 1971, a Misericórdia tornou-se proprietária da Quinta das Devezas.
Entretanto, para homenagear os dadores, a Misericórdia construiu um magnífico lar para idosos, que foi inaugurado no dia 4 de Julho de 1992, a que deu o nome de Lar Residencial Conde das Devezas, actualmente designado de Residências Seniores Conde das Devezas.

Bibliografia:
- In http://scmg.pt
- SIPA 

Imagens:
- Alexandre Silva

Igreja de Monserrate. (Viana do Castelo)

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

O Arcebispo D. Afonso Furtado de Mendonça fundou a paróquia de Nossa Senhora de Monserrate, filial da Colegiada de Santa Maria Maior, em 23 de Janeiro de 1621. 
A igreja paroquial situava-se no lugar, onde hoje é o Largo 9 de Abril, e fora construída de raíz, fora das muralhas, no ano de 1601. 
Nos finais de 1835, o Governador Civil de Viana promoveu a transferência da paróquia para o Convento de São Dominingos, alegando qua a igreja se encontrava já muito deteriorada. Obteve também autorização da Câmara Municipal e do Conselho do Distrito para demolir o templo, ganhando, assim, "um excelente campo fronteiro aos Quartéis Militares, para o exercício da tropa". 
Por portaria de 1836, a 20 de Abril, a sede desta paróquia foi transferida para a igreja do Convento de São Domingos, extinto em 1834. 
No dia 5 de Julho desse ano, mudou-se a pia baptismal para a Igreja de São Domingos e, no dia 10 desse mês, foi levado o resto do recheio, em procissão solene. 
A demolição da igreja de Monserrate, porém, teve lugar 80 anos depois, em 1916, não obstante a forte corrente de opinião pública, que ao tempo se manifestara
.
Demolição da Igreja de Monserrate em 1916

Fontes bibliográficas:
- Arquivo Distrital de Viana do Castelo
Inventário Colectivo dos Arquivos Paroquiais vol. II Norte Arquivos Nacionais/Torre do Tombo

O busto de Raul Dória. (Porto)

domingo, 9 de junho de 2019

Já aqui fizemos há uns anos atrás, uma publicação sobre o demolido "Palacete das Lousas", (clique para aceder à publicação) edifício onde funcionou por muitos anos a conhecida escola comercial Raul Dória.
O local onde esse edifício se erguia, está como sabem, actualmente ocupado pelo prédio do Jornal de Notícias e contemplava um vasto jardim onde existia um busto de bronze do fundador.
Quando anos depois, resolveram  derrubar o magnífico palacete, para construírem o edifício do "JN", nos anos 60 do séc. XX, o busto de bronze seria transferido para o Largo Dr. Tito Fontes, local situado a escassos metros.
Busto de Raul Dória
Infelizmente, alguém deve ter por engano, levado esse busto, que é património de todos, para casa, pois o mesmo desapareceu do seu pedestal e nunca mais retornou.
Por favor devolvam Raul Dória, ao seu merecido pedestal.
Pedestal sem o busto
Nota: 
Esta singela publicação, foi realizada em resposta aos inúmeros pedidos dos nossos leitores.

Casa Oriental. (Porto)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

A Casa Oriental, no Porto, não desapareceu... modernizou-se.
A Casa Oriental foi fundada em 1910 no Campo dos Mártires da Pátria, n.º 111/112, próximo à Torre dos Clérigos tendo começado por comercializar produtos das colónias orientais e africanas. O café, o chocolate e os chás vendidos desde o início do século XIX, ainda hoje são evidenciados na fachada desta famosa mercearia, com a representação de uma cena da África Colonial, um atractivo para todos os turistas que visitam o Porto.
Após a 2ª Guerra Mundial, a gama de produtos aumenta e a Casa Oriental passou a vender produtos regionais portugueses: doçaria, enchidos e carnes fumadas, frutas, legumes, queijos, azeitonas, vinhos e licores. Passado o 25 de Abril de 1974 a loja é adquirida pelo actual proprietário, José Maria Gama, que decide fazer do bacalhau a imagem de marca da casa.
Casa Oriental antigamente
Reconhecendo a importância histórica do daquele espaço e compreendendo o impulso que o mesmo deu no passado a outros produtos icónicos da gastronomia portuguesa, a COMUR – Fábrica das Conservas da Murtosa confiou recentemente à Casa Oriental o exclusivo para toda a cidade do Porto da colecção “Valor do Tempo®”. 
Duas marcas de elevadíssima reputação que se unem por um só objectivo: retribuir à Sardinha Portuguesa o muito que esta já fez por Portugal.
A Casa Oriental é actualmente uma Mercearia Fina, com um interior remodelado, onde a beleza do estilo antigo se enquadra harmoniosamente com o novo, despertando a curiosidade da massa turística que actualmente visita o Porto.
Casa Oriental actualmente
Interior da Casa Oriental
 Enlatados da firma COMUR - Fábrica de Conservas da Murtosa
Fontes parciais: 
- casaoriental.pt
- www.conservasportuguesas.com/

Padaria Flor do Paraíso. (Porto)

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Padaria Flor do Paraíso
A rua do Paraíso foi aberta em 1784, inicialmente baptizada como Rua da Senhora da Lapa e informalmente chamada Rua dos Ferreiros, até que  em meados do século XIX a rua passou a ter o nome que conhecemos hoje (Paraíso). Nesta rua existia a Padaria Flor do Paraiso possuindo um painel de azulejos histórico e protegido que foi preservado, pelo seu valor, pois foi criado pela mais famosa fábrica de azulejos publicitários portugueses, a Fábrica do Carvalhinho. O antigo edifício foi reabilitado, no ano de 2018, para habitação.

Cliché: Alexandre Silva

O Teatro Camões. (Porto)

domingo, 14 de outubro de 2018

O «Theatro Camões» situava-se no que hoje designamos por centro da cidade, no local ocupado actualmente por uma boa parte da Estação de Metro da Trindade.
Foi erguido no correr da antiga Rua das Liceiras, próximo da Feira dos Carneiros (já aqui falada noutra publicação) em esquina com a Rua de Alferes Malheiro.
O «Theatro Camões» seria, a meio do séc. XIX, frequentado por figuras públicas de destaque, como o escritor Camilo Castelo Branco, ou o grande negociante Manuel Pinheiro Alves, marido de Ana Plácido (mulher que se tornaria amante do escritor).
Posteriormente, a 05 de Junho de 1858, o «Theatro Camões» passaria a denominar-se «Teatro das Variedades». Curiosamente, o escritor Camilo Castelo Branco, chamava ao já então Teatro das Variedades  "A barraca de Liceiras".
A Feira do Carvão na Praça de Camões
O Theatro Camões, é perceptível atrás das árvores - Emílio Biel
Em 1887, surgiu no local o «Theatro Chalet» que estreou com o drama “A escravatura na América”. O seu último espectáculo aconteceria em 02-04-1899, tendo sido em seguida demolido, para  permitir a ampliação do Horto Municipal. 

Fontes parciais:
-Arquivo Histórico Municipal do Porto
- Jornal "O Comércio do Porto"