Aqueduto do Mosteiro da Serra do Pilar. (Gaia)

domingo, 3 de janeiro de 2016

Iniciada a reforma da Ordem dos Agostinhos por ordem de D. João III, sob a direcção de Frei Brás de Barros, os monges de São Salvador de Grijó foram transferidos para a Serra do Pilar. Foi então iniciada em 1537 a construção de um novo mosteiro na serra de Gaia, segundo projecto da autoria de Diogo de Castilho e João de Ruão. Em 1542 trabalhava-se na edificação dos alicerces da igreja e do claustro, bem como das salas do capítulo e do refeitório. A primeira fase da obra estaria terminada em 1567 e em 1576 iniciava-se a construção do claustro circular, terminado nos primeiros anos da década de 80. 
Em 1598 o prior D. Acúrsio de Santo Agostinho considerou a igreja do mosteiro "pequena e acanhada", pelo que decidiu refazer a estrutura do templo, consagrando-a a Santo Agostinho. A planta, de secção circular, adequava-se à estrutura do claustro, formando então os dois espaços um "infinito perfeito", destruído pela construção do retro-coro em 169. No entanto a estrutura circular da nova igreja, na "forma da (igreja) de Santa Maria Redonda de Roma", segundo os cronistas da ordem, foi com certeza inspirada no primeiro projecto da década de 30 (GOMES, Paulo Varela,2001,p.82), uma vez que a planimetria empregue era não só desajustada ao gosto arquitectónico da época como "desadequada" às normas tridentinas então vigentes. 
As obras do templo iriam arrastar-se por várias décadas, uma vez que foram interrompidas nos primeiros anos do século XVII, sendo terminada a edificação entre 1669 e 1672, data em que era finalmente inaugurada. 
Mosteiro da Serra do Pilar. Calótipo de Frederick William Flower, 1849-1859

O mosteiro localiza-se nos lugares antigamente designados por "Monte de Quebrantões" ou da "Meijoeira", um alto rochoso e de difícil acesso a água potável. A solução para tal problema, encontrava-se junto da igreja de Mafamude, no manancial do Agueiro.
A água que seguia, pelo aqueduto, até ao do Mosteiro da Serra do Pilar foi contratada com Diogo Leite, Senhor de Campo Belo, que a cedeu dos seus terrenos de Casais e Trancoso, da freguesia de Mafamude, em 23-5-1538.
O aqueduto tinha o seu manancial no lugar do Agueiro. Existem ainda na Quinta do Marques do Agueiro três respiros em terreno agrícola e um, bastante maior, no jardim da Praceta Adelino Amaro da Costa. A mina depois de receber água destes pontos atravessa a rua D. Pedro V e recebe água de vários pontos, situados no lugar de Trancoso, junto ao Colégio de Gaia. Entre a Rua D. Pedro V e a VCI existem dois respiros, nas traseiras dos prédios, que foram preservados aquando das obras de construção daquela via.
Vila Nova de Gaia em 1860. É visível o aqueduto no horizonte da imagem
Na sua continuidade a mina atravessa a Avenida da República em direcção à Travessa Particular Honório Costa onde também existe um respiro, de grandes dimensões que, felizmente, foi integrado em condomínio urbano, sendo assim preservado. 
Deste local, o aqueduto seguia até ao sítio da actual praceta 25 de Abril onde existiu um pequeno outeiro chamado das Pedras de Pé de Azeite onde, antes da construção da praceta, existia a casa da família Cal Brandão. 
A partir daí o aqueduto seguia à superfície e em arcadas pela rua 14 de Outubro, passava junto à Fonte do Casal que era por ele abastecida e depois pela actual Alameda da Serra do Pilar, onde faz a separação entre as freguesias de Santa Marinha e Oliveira do Douro. A entrada no actual Quartel da Serra dava-se junto ao portão nascente.
Arcos do demolido aqueduto
Serra do Pilar, vista do Cais de Gaia, por volta de 1880
Mosteiro da Serra do Pilar em 1920 - Em ruínas desde o cerco do Porto em 1832
Igreja do Mosteiro da Serra do Pilar. Casa Alvão c. 1900
Em finais do séc. XIX, era notório o estado de degradação de alguns dos arcos do aqueduto, havendo reclamações de moradores locais para que os mesmos fossem apeados, considerando-se que, para além da segurança pública, os mesmos eram um entrave ao progresso. 
O próprio jornal “A Luz do Operário”, em 03 de Junho de 1926 escreve sobre a preocupação dos moradores, temendo pela sua segurança e alertando para a necessidade de por fim a tal “pesadelo”. Foram assim derrubados os últimos arcos desta formidável construção.
Curiosamente em 20-08-1946, através do Decreto-Lei nº 35.817, o Estado Português, que nada havia feito pela preservação do aqueduto, procedeu à classificação do mesmo, como sendo um "imóvel de interesse público" o (suposto) troço ainda existente, do aqueduto da Serra do Pilar, no lugar do Sardão, freguesia de Oliveira do Douro. 
Assim, o Estado Português, classificou literalmente algo já inexistente, confundindo-o com outro aqueduto, do qual restam os conhecidos "Arcos do Sardão".

Fontes:
- DGPC
- Biblioteca Municipal

Rua das Congostas. (Porto)

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Já a abordamos, quando falamos da Rua do Infante e da abertura do Túnel da Ribeira, bem como da Planta da Rua Mousinho (Mouzinho) da Silveira.
Vamos no entanto, nesta publicação, aprofundar mais o historial deste local.
A abertura da Rua Mouzinho da Silveira veio, como aconteceu em vários outros casos, na cidade do Porto, destruir muito do casario antigo e alguns arruamentos. Esta rua seria construída em duas fases:
- Na primeira fase, a rua foi rasgada desde São Bento até ao cimo da Rua de S. João, terminando onde se localizava a Capela e o Hospital de S. Cris­pim e S. Crispiniano (como sabem, a capela está actualmente na actual Rua de Santos Pousada, próximo da Praça Rainha D. Amélia).
- Na segunda fase, a Rua Mouzinho da Silveira fez literalmente desaparecer a velha Rua das Congostas, tantas vezes citada por Ca­milo Castelo Branco, em especial seu romance "O sangue". Esta antiga rua, fazia a ligação entre o Largo de São Domingos e a Alfândega Velha. 
"Congosta" tende a designar um "caminho estreito e comprido, mais ou menos decli­voso" ou um "caminho estreito entre paredes e mais ou menos em declive."
Cliché obtido provavelmente do local onde se ergue o Palácio da Bolsa
Esta zona, seria futuramente ocupada pela Praça do Infante 
As traseiras do casario, visíveis na imagem, pertenciam às casas da Rua das Congostas, desaparecida durante a segunda fase de abertura da Rua Mouzinho da Silveira
Segundo Germano Silva; "começava essa velha artéria, se assim se pode dizer, junto da antiga Rua Nova, de­pois dos Ingleses e hoje do Infante D. Hen­rique, e acabava, digamos assim, junto à ponte de S. Domingos, ou seja, à entrada do actual Largo de S. Domingos, para quem nele entra pela Rua de Mouzinho da Silveira".
Observação: Para a abertura da Rua foi necessário cobrir o rio da Vila.
"A ponte existia. Atravessava o medieval rio da Vila para permitir o trânsito de pes­soas e animais entre aquele largo e a antiga Rua de S. Crispim, que ficava do outro lado, mais ou menos ao cimo da Rua de S. João, e à entrada da Rua da Bainharia."
Juntamente com o inúmero casario destruído, foi também destruída a monumental Fonte das Congostas e o Solar à qual a mesma estava encostada.
 Fonte das Congostas (demolida) 
Possuía uma frontaria a lembrar um retábulo e em que estava esculpido o escudo real adoptado por D. João II. 
Tinha duas bicas. Uma bica onde se abasteciam os vizinhos e outra destinada exclusivamente aos aguadeiros.
Quando da abertura da Rua Mouzinho da Silveira, havia a ideia de manter, no novo arruamento, o nome "Congostas"... mas a ideia não vingou. Assim, por volta do ano de 1875 (o traçado, foi decidido em sessão camarária de 17 de Junho de 1875) este antiquíssimo arruamento, desapareceria da cidade do Porto.

Imagens:
- In "O Tripeiro" 
- AMP

O Natal do Sinaleiro.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Como muitos o saberão, já abordamos este assunto várias vezes ao longo dos anos, na nossa página de divulgação do blogue, existente no "facebook". 
Achamos presentemente que o assunto tem interesse suficiente, para integrar uma publicação no próprio blogue.
Natal do Sinaleiro em Lisboa. 24-12-1935. Imagem in ANTT
O Sinaleiro (ou Polícia-Sinaleiro) foi uma profissão relevante, que com o evoluir da tecnologia desapareceu (ficaram os semáforos) e muito recentemente foi ligeiramente reabilitada, mas acreditamos, que apenas como uma espécie de "figura decorativa" ou evocativa de uma realidade passada.
Foi um hábito fazer ofertas de Natal a Polícias-Sinaleiro, principalmente em Lisboa. 
Tal atitude foi muito promovida pelo próprio ACP na década de 30 do séc. XX. De facto o Automóvel Clube de Portugal lançou nos anos 30, com o apoio de algumas empresas, uma campanha nacional intitulada "Natal do Sinaleiro", que se tornou muito popular nas décadas seguintes, com o apoio do Jornal "Diário de Notícias" e de o Jornal "O Século". As ofertas dos cidadãos eram de todo o tipo: Garrafas de azeite, porcos, bacalhaus, garrafões de vinho, sacos de batatas, etc. 
Natal do Sinaleiro em frente dos armazéns do Chiado 
Imagem: Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Natal do Sinaleiro. Promovido pelo ACP. Cais do Sodré

Arco do Triunfo da Rua Augusta. (Lisboa)

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

É verdade. O famoso arco triunfal situado na parte Norte da Praça do Comércio, sobre a Rua Augusta, em Lisboa, não desapareceu, pelo menos aquele que presentemente lá se encontra, o que muitas pessoas não sabem, é que este mesmo arco, não é o original.
A construção do arco começou cerca de 20 anos após o terramoto de 1755, mais concretamente em 1775, mas esta primeira versão, que poderá não ter sido concluída, viria a ser demolida em 1777, após o início do reinado de D. Maria I e a demissão do Marquês de Pombal.
Em 1873, recomeçou a edificação do arco segundo o projecto do arquitecto Veríssimo José da Costa, que remonta a 1843/44, tendo ficado as obras concluídas em 1875.
Lisboa - Arco da Rua Augusta 
Albumina datada de 1862(?)*, com autoria do fotógrafo e daguerreótopista Wenceslau Cifka
Na parte superior do arco, foram incluídas esculturas de Célestin Anatole Calmels, enquanto num plano inferior se incluiriam esculturas de Vítor Bastos. As esculturas de Calmels representam a Glória, coroando o Génio e o Valor. 
As esculturas de Vítor Bastos representam Nuno Álvares Pereira, Viriato, Vasco da Gama e o Marquês de Pombal. O aparelho que serviu para transportar as pesadas colunas encontra-se no Museu Militar, mesmo ao lado.
Estátua equestre de Dom José I e o Arco da Rua Augusta em construção in AML
Rua Augusta em 1890
No horizonte vemos o arco já concluído 
*Nota: Por razões óbvias, questionamos a data exacta da Albumina do fotógrafo e daguerreótopista Wenceslau Cifka, mas por vezes, temos de nos cingir às fontes informativas oficiais.

Colégio Nossa Senhora da Estrela. (Porto)

sábado, 14 de novembro de 2015

O Colégio Nossa Senhora da Estrela, não desapareceu propriamente dito, mas mudou de nome por diversas vezes e foi muito alterado e ampliado, ao longo de muitas décadas.
 Colégio Nossa Senhora da Estrela, Colégio João de Deus, Escola Augusto Gil
Com entradas pela Rua de Santa Catarina n.º 788 e pela Rua da Alegria n. º 200, o colégio era feminino e funcionava em regimes de internato, semi-internato e externato, desde o séc. XIX.

Elogios na imprensa da época:
(…) em logar salubre, e instalado em edifício amplo hygienico, com
uma direcção intelligente e maternal, e um corpo docente escolhido 
e competentíssimo, observando-se com escrúpulos todos os
ensinamentos moraes, este colégio cujo conceito está feito, deve
proferido para os que desejarem que as suas filhas tenham uma
educação esmerada.” 
- In Jornal A Pátria, 09 de Novembro de 1917

Colégio Nossa Senhora da Estrela. Imagem in; Espólio da Escola E.B. 2,3 Augusto Gil
Em 1928, o Colégio Nossa Senhora da Estrela, seria convertido num colégio masculino, que seria denominado por Colégio João de Deus, transformando-se novamente, anos mais tarde, em 1973, na Escola Preparatória Augusto Gil e posteriormente na Escola E.B. 2,3 Augusto Gil.

Rua Ocidental do Bolhão. (Porto)

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Rua Ocidental do Bolhão (desaparecida). Futuro prolongamento da rua de Sá da Bandeira
Em 2010 falamos do Mercado do Bolhão. Pois a denominada Rua Ocidental do Bolhão, era assim chamada, justamente por ladear a parte ocidental do mercado com o mesmo nome. 
Esta rua ocupava a zona aproximada entre a Rua Formosa e a Rua Fernandes Tomás.
No casario térreo da esquerda, ficavam as cocheiras do "Americano" da Cª. Carris de Ferro do Porto e uma loja de flanelas
Os muares eram trazidos para o início da rua e aí trocados pelos que deixavam o serviço. A Rua Ocidental do Bolhão iria desaparecer com a abertura daquele que podemos classificar pelo "terceiro troço da Rua de Sá da Bandeira", só terminado em 1911. Justamente aquela parte que se localiza entre a Rua Formosa e a Rua Fernandes Tomás.
Empresa de materiais de construção de António Augusto Soares, 
«A Construtora», no ângulo da Rua e Travessa de Sá da Bandeira

Imagens:
- AMP

Vendedeiras da Cordoaria (Porto)

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Já aqui falamos do desaparecido Mercado do Anjo, bem como do igualmente demolido Mercado do Peixe, ambos localizados, muito próximos um do outro.
No entanto havia quem fizesse negócio (ou pelo menos o fosse tentando) entre estes dois mercados oficiais. 
Do lado Norte da Cordoaria, perto da Cadeia da Relação, encontravam-se muitas vendedeiras a fazer concorrência ao comerciantes do Mercado do Anjo. 
Vendedeiras de castanhas em frente da Torre dos Clérigos, 1912 in AMP
Vendedeiras  no "Mercado da Cordoaria", perto do antigo Mercado do Anjo. Anos 30-40

O verdadeiro "Pica do 7". O Revisor de Eléctrico.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Revisores. O verdadeiro "Pica do 7" e não só...
Alguns dos nossos estimados leitores, ainda se lembrarão por certo dos antigos Revisores de Eléctricos, troleis e autocarros, vulgarmente denominados pelos "Pica", figura que recentemente serviu de inspiração ao tema "Pica do 7", escrito por Miguel Araújo e cantado por António Zambujo.
Os Revisores, usavam bonitas e robustas bolsas em pele para guardar o dinheiro dos bilhetes vendidos. Eram carteiras que colocavam à tiracolo e que envelheciam com o tempo, ficando mais escuras, marcadas pelas mãos dos que as usavam. Andavam também com uma espécie de alicate, o obliterador, que era o que permitia "picar" o bilhete dos viajantes, conferindo assim a sua validade e autenticidade.
Eléctrico n.º 115 da Linha 7
Bilhete de eléctrico, já obliterado pelo "Pica"
Eléctrico n.º 185 da Linha 7, com destino a S. Mamede
A Linha 7, partia da Praça da Liberdade, no Porto, para S. Mamede, mais exactamente até à Ponte da Pedra, sendo desactivada na década de 70 do séc. XX. Paradoxalmente o video de António Zambujo, foi realizado em Lisboa, o que não diminuiu em nada a sua beleza, nem o valor da música.
O eléctrico chega a S. Mamede no dia 19 de Fevereiro de 1910
Eléctrico da Linha 10, com destino a Rio-Tinto 
De notar a presença dos Revisores (o 'Pica') entre os transeuntes
António Zambujo - Pica Do 7

Imagens:
- Museu do Carro Eléctrico 

Arco de Santo André. (Lisboa)

Arco de Santo André. Demolido em Junho de 1913
O Arco de Santo André localizava-se ao cimo da calçada de Santo André e era uma das portas da antiga Cerca Fernandina que, em 1373, Dom Fernando mandou construir para proteger a cidade. 
O Arco situava-se encostado ao Palácio dos Condes da Figueira, edifício datado de 1578 e edificado por D. João de Mendonça, com licença de D. João II, cujo brasão ainda podemos apreciar no seu portal seiscentista. 
Arco de Santo André, memória das 37 Portas da Cerca Fernandina, seria lamentavelmente demolido em Junho de 1913, para facilitar a circulação dos eléctricos.
Arco de Santo André e o Palácio dos Condes da Figueira
Perspectivas do Arco de Santo André
 Arco de Santo André, antes de 1913, visto do término da Costa do Castelo
Cliché de Joshua Benoliel in AML

Imagens:

- AML

Estação Ferroviária da Senhora da Hora.

sábado, 7 de novembro de 2015

Estação Ferroviária da Senhora da Hora. Digitalização. Cliché original: Autor desconhecido
Originalmente denominada de Vila de Bouças, a Estação Ferroviária da Senhora da Hora, entrou ao serviço em 01 de Outubro de 1875, sendo uma interface ferroviária da Linha do Porto à Póvoa e Famalicão, que funcionava como entroncamento com a Linha de Guimarães e o Ramal de Matosinhos, e que servia a localidade de Senhora da Hora, no Concelho de Matosinhos, em Portugal. 
Estação da Senhora da Hora - Locomotiva com destino à Trindade
Com o fim da circulação do comboio, a Estação foi encerrada em 2001, tendo as antigas dependências sido integradas na Estação Senhora da Hora do Metro do Porto.