O Mosteiro de Santa Maria das Júnias. (Montalegre)

sábado, 7 de novembro de 2009

O Mosteiro de Santa Maria das Júnias é um Mosteiro português localizado nos arredores de Pitões das Júnias freguesia de Pitões das Júnias, concelho de Montalegre e Distrito de Vila Real.
O Mosteiro de Santa Maria das Júnias foi classificado como Monumento Nacional pelo Dec. 37728 de 5 de Janeiro 1950.
Este convento teve origem num antigo eremitério de origem pré-româníca que foi fundado no Século IX e cuja implantação obedeceu a critérios de isolamento, o que explica o seu grandioso fundo paisagístico. Encontra-se num vale estreito, de difícil acesso e longe dos caminhos e de lugares habitados.
Em contraste com outros cenóbios do Norte de Portugal, que no geral são possuidores de produtivos coutos, esta primeira comunidade de monges das Júnias dependia da pastorícia, facto que acentuou bastante o seu carácter humilde e ascético.
Este mosteiro e o templo anexo foram erguidos numa data tão antiga que antecede a fundação da nacionalidade portuguesa, durante a primeira metade do século XII.
«Do Mosteiro só sobrevive a Igreja... O Mosteiro própriamente dito está reduzido a ruínas»
No principio foi ocupado por monges beneditinos, o mosteiro passou, em meados do século XIII, a seguir a Regra de Cister, ficado agregado à Abadia de Osseira, na Galiza. No inicio do século XIV, foi submetido a obras de manutenção e melhoramento em que se destaca a construção do claustro e a ampliação da capela-mor.
Ao longo dos séculos, este mosteiro foi enriquecendo com a obtenção de terras na região do
Barroso e na Galiza. No início da Idade Moderna foram realizadas obras de elevação de algumas dependências do convento e da capela-mor do templo, entretanto destruídas pelo assoreamento provocado pelo ribeiro que corre junto à cabeceira do mesmo.
Na primeira metade do século XVIII, a igreja foi restaurada, a nível do madeiramento e do lajeamento, e redecorada com retábulos em talha dourada. A partir de meados de setecentos, este convento começou a entrar em decadência e acabou por perder monges e rendimentos. No ano de 1834, foi, como todos os outros, extinto, passando o seu último monge a exercer a função de pároco de Pitões. Na segunda metade do século XIX, um devastador incêndio levou à ruína muitas das dependências conventuais.
No ano de 1986 a Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais levou a efeito obras de recuperação e melhoramento. Em 1994 e 1995, o Parque Nacional da Peneda-Gerês promoveu uma intervenção arqueológica no claustro e na cozinha conventuais.

Este mosteiro apresenta-se organizado segundo uma planta trapezoidal, encontrando-se a igreja implantada a norte a as dependências conventuais ao sul. O templo tem de nave única e uma capela-mor que é a estrutura mais bem conservada do cenóbio. Na frontaria, românica rematada por uma empena truncada por um campanário setecentista de dois olhais, abre-se um belo portal de arco perfeito, com uma primeira arquivolta lisa e uma segunda, exterior, adornada com lancetas, por sua vez envolvida por um friso com decoração geométrica.
Os ábacos do arco foram decorados por motivos cordiformes, enquanto o tímpano apresenta, ao nível inferior, um dintel decorado com flores estilizadas cruciformes e, por cima deste, uma cruz de Malta vazada, enquadrada por perfurações circulares dispostas em triângulo.
Nas paredes laterais da nave, rasgam-se dois portais simples, de tímpanos vazados por Cruzes de Malta, semelhantes entre si, sendo rematadas por friso e cornija moldurada e percorridos, a meia parede, por um friso adornado com motivos geométricos, sob o qual se projectam mísuias, também estas enfeitadas por elementos geometrizantes. A janela axial da ousia mostra a sobreposição do estilo gótico ao românico inicial.
Numa janela lateral da ousia, voltada a norte, uma curiosa estátua jacente de um monge é interpretada pela população como sendo o marco da cota máxima transbordos do rio ao longo dos séculos.
No interior conserva-se um friso ornamentado que percorre a nave à altura das janelas, O arco triunfal, de duas arquivoltas lisas apoiadas em ábacos boleados, é enquadrado por dois retábulos de talha. Na capela-mor, dispõe-se um retâbulo-mor com uma elaborada composição em talha. As divisões do convento, em grande desmoronadas, compreendem dois corpos, O primeiro paralelo ao riacho, era o dormitório dos monges. O segundo corpo, que se encontra perpendicular ao primeiro, era onde se localizava a cozinha, que ainda mantém a sua chaminé piramidal.
Do claustro românico só se conservam três arcos da galeria encostada à igreja. De volta perfeita, assentam em capitéis com decoração fitomórfica.
À igreja deste convento acontece uma romaria em 15 de Agosto de cada ano a que acorre gente de Pitões das Júnias e de povoações vizinhas. *
«A Igreja. Vista do interior»

* Almeida, Álvaro Duarte de e Belo, Duarte - Património de Portugal.

0 comments

Publicar um comentário