Sanatório dos Ferroviários. (Covilhã)

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Clique nas Imagens para as ampliar
Na imagem de cima, vemos a  fachada do edífício numa época mais próspera e em baixo uma visão geral do mesmo nos nossos dias, completamente arruinado (fotos net)
O Sanatório dos Ferroviários, na Covilhã, foi projectado pelo arquitecto Cottinelli Telmo nos anos 20. Foi mandado construir pelos Caminhos de Ferro para tratamento de tuberculose dos seus funcionários, visto poderem beneficiar da localização em sítio calmo e com ar puro, fazendo parte de uma rede de 11 sanatórios existentes no início do século XX. Demorou 8 anos a ser construído (1928-1936) e permaneceu fechado durante outros tantos anos, devido a circunstâncias diversas e estranhas à CP. Depois viria a ser arrendado à Sociedade Portuguesa de Sanatórios, com a condição de receber todos os doentes necessitados de tratamento de altitude, tendo cinquenta camas à disposição da Assistência Nacional aos Tuberculosos.

O edifício acolheu, ao longo de mais de 40 anos, muitos milhares de tuberculosos, provenientes de todo o país, que procuravam recuperar da tuberculose nos bons ares da Serra da Estrela. Apesar de acolher doentes de todas as classes sociais, os doentes menos favorecidos não tenham acesso a todas as alas, algumas destinadas apenas às classes altas, que ali encontravam todo o conforto que o dinheiro podia comprar.
 Nas imagens de baixo, todo o glamour interior do antigo Sanatório


Oito anos após a cedência, o edifício passou para as mãos do Estado, tomando conta dele o Instituto de Assistência Nacional de Tuberculose (IANT), passando também a partir de 1953, a ser internados doentes pobres. O recurso à quimioterapia anti-tuberculose levou ao encerramento dos sanatórios afastados dos centros urbanos e pouco rentáveis. O Sanatório das Penhas da Saúde não mereceu diferente sorte, fechando as portas em Junho de 1969. Depois de 25 de Abril de 1974 serviu de residência a cerca de 700 retornados (pessoas regressadas das antigas colónias portuguesas).




O interior do edifício actualmente... uma ruína sem precedentes

No final dos anos 80, quando já se encontrava praticamente abandonado e seriamente degradado passou para as "mãos" da Turistrela.

No ano de 1998 o Sanatório chegou a ser vendido à ENATUR (empresa das Pousadas de Portugal) pelo preço simbólico de 1 escudo. Em contrapartida a ENATUR comprometia-se a instalar ali uma Pousada de Portugal, cujo projecto chegou a ser elaborado pelo arquitecto Souto Moura o qual previa um investimento na ordem dos 10 milhões de euros. Entretanto a ENATUR foi entregue ao Grupo Pestana, e o projecto foi abandonado, tendo em 2004 cessado o contracto. Assim a titularidade do sanatório regressou às mãos da Turistrela.

Actualmente está a ser negociada a fórmula final do edifício, que terá como base o projecto inicial de Souto Moura.


Um documentário do antigo sanatório na encosta da Serra da Estrela, um trabalho académico da escola ESART em Castelo Branco elaborado por Carlos Reis, Rui Lucas, Pedro Antunes, Sara Fernandes e Hugo Duarte.

0 comments

Publicar um comentário