Sé do Porto - Demolição da zona envolvente.

sábado, 5 de maio de 2012

Clique nas imagens para as ampliar
Na imagem de baixo: Sé e Paço Episcopal do Porto - BPI de 1900
Sé do Porto ainda com o relógio e o casario que a envolvia - BPI - Editor - Estrela Vermelha
A Sé ainda com o casario que a rodeava
Porto - Panorama sobre o Rio Douro. É visível o casario que ainda envolvia a Sé
Vista aérea da Torre dos Clérigos e zona envolvente à Estação de S. Bento. Na direita da imagem, após a Estação, é visível a Rua do Corpo da Guarda e todo o casario que seria derrubado para a abertura da  futura "Avenida da Ponte". Notamos também ainda a existência do demolido Solar dos Duques de Lafões.
Vista do alto da Torre dos Clérigos, num cliché mais antigo (1860/70) atribuído a Antero Seabra
Neste cliché, ainda podemos ver o extinto Mosteiro São Bento de Avé-Maria, no local que seria ocupado pela Estação dos Comboios
Largo do Corpo da Guarda, na década de 30
Antes do derrube do casario, para a abertura da Avenida da Ponte 
Na direita vemos a casa dos Duques de Lafões
As casas que rodeavam a Sé...
Casario envolvente à Sé
Aspecto antigo da calçada da Vandoma. 1940
Entre meados da década de 30 e 40 do séc. XX, a zona envolvente da Sé do Porto, sofreu alterações significativas pelas demolições e arranjo urbanístico ordenado pela Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais. Segundo um conceito higienista com critérios de monumentalização, demoliu-se uma grande quantidade de edifícios que se encontravam em frente à Sé, alargando-se amplamente o Terreiro da Sé. Pretendia-se desta forma resolver o problema de degradação física e social do bairro, evidenciando o elemento singular da Sé Catedral.
Sé do Porto - Derrube do casario envolvente
 Demolição do bairro da Sé
 Demolições no largo da Sé
As várias fases das demolições...
Diversos ângulos do processo de demolição...
Em baixo, uma vista parcial das demolições
Torre medieval, que estava oculta pelo casario. Actualmente está na rua de D. Pedro Pitões

Na imagem de baixo: Demolições para alargamento do Terreiro de D. Afonso Henriques, actual Terreiro da Sé, numa fotografia tirada da igreja da Sé.
Casa com Brasão que existiu junto à Sé Catedral da Invicta, fez também parte do casario demolido para criar o espaço que conhecemos por "Terreiro da Sé".
Demolição na rua do Açougue
A Capela dos Alfaiates (em baixo) um problema bem resolvido...
Capela dos Alfaiates.  
A mesma imagem em diferentes impressões
Na imagem de cima vemos a entrada da Sé, a Casa do Cabido, o portão e Paço Episcopal e a Capela dos Alfaiates ou Nossa Senhora de Agosto. A Capela datada de 1554, foi também "demolida" em 1936, seguida de outros edifícios, para as obras de alargamento, mais verdadeiramente, desmontaram-na com cuidado e foi reconstruída perto do largo Actor Dias, na rua do Sol. 
Capela dos Alfaiates em 1935, frente à Sé do Porto
Em baixo o mesmo local já sem a Capela
Demolições em frente à entrada Nobre da Sé
Duas variantes de um mesmo cliché. Derrube do casario envolvente da Sé do Porto
Fachada principal da igreja da Sé e da Casa do Despacho, vistas do largo Dr. Pedro Vitorino em 1940. Destaque também, para a fonte do pelicano e para o pelourinho.
A questão «Avenida da Ponte»
A Avenida da Ponte já estava prevista desde que em 1886 a Ponte Luís I foi construída. Vários  projectos foram feitos. Gaudêncio Pacheco apresentou, em 1913, um formidável estudo para a zona central que previa aberturas de avenidas desde a ponte à Batalha, Praça Almeida Garrett e Rua Mouzinho da Silveira, que teria sequência até à Igreja dos Clérigos. Posteriormente muitos foram os projectos que não tiveram concretização. O problema continua por resolver até hoje...
Clique na imagem para a ampliar
Estação de S. Bento, vendo-se a Rua do Corpo da Guarda
Obras de abertura da Avenida da Ponte. Demolições na Rua do Corpo da Guarda
Nas três fotografias de cima, vemos a entrada da rua do Corpo da Guarda antes do começo das demolições para a abertura da Avenida da Ponte.
Rua do Corpo da Guarda no início das demolições. 1947-1949
Obras no Largo e Rua do Corpo da Guarda. Descoberta de uma galeria subterrânea
Rua do Corpo da Guarda. Demolições
Na imagem de cima: A rua do Corpo da Guarda no começo das obras de demolição e em baixo as demolições já mais avançadas, numa perspectiva que permite já ver a igreja dos Congregados, nos anos 40.
Abertura da Avenida da Ponte, vista da Praça de Almeida Garrett. Cliché de 1950

Imagens:
- Arquivo Municipal do Porto (AMP)
Beleza
- CMP
- Teófilo Rego
- Antero Seabra

2 comentários

Excelente documentação relativa à envolvente da cSé Catedral do Porto ao longo do século passado !

13 de junho de 2015 às 22:43

Talvez, com a procura de turismo pelas zonas históricas das cidades, fosse de começar a pensar refazer a situação de 1930 reconstruindo o que foi demolido. Afinal a modernidade das cidade parece cada vez mais passar pelo antigo, pelas ruelas estritas e casas acanhadas arrendadas on-line, que pelas avenidas largas e os hoteis - caixote.

20 de junho de 2016 às 14:59

Enviar um comentário